Apenas o fim

Talvez eu tenha perdido o bonde do lançamento do filme na 32 Mostra de Cinema de São Paulo, onde faturou o prêmio de melhor filme eleito pelo juri popular, ou mesmo as exibições em alguns cinemas da cidade, porém um filme deste naipe é digno de post. E como é.

O filme foi escrito e dirigido por Matheus Souza que na época, 2008, tinha 20 anos e era estudante de cinema da PUC-RJ.

A película narra uma hora na vida dos namorados Tom (Gregório Duvivier) e Adriana (Érika Mader) estudantes de cinema da PUC-RJ. O filme se passa na própria PUC onde Adriana encontra Tom para se despedir. Adriana está decida a largar tudo: namorado, pais, amigos, faculdade para recomeçar a vida em um outro lugar. O namorado tenta entender o porquê da fuga da garota que diz que eles tem somente uma hora para estarem juntos antes dela ir embora.

Os dois começam um passeio pelo campus onde vão revivendo os momentos marcantes que passaram juntos, sobre os sonhos que tinham. E assim é o filme. Um grande diálogo entre as duas personagens.

Bem, se você está achando que isso não é suficiente para se fazer um grande filme, você mudará seu conceito. Os diálogos são o ponto forte do filme.  É comédia pura. E o melhor, da refinada. Grande parte das conversas são um grande mergulho na cultura pop mundial e nacional em que todos estamos inseridos e que muitas vezes nem damos muito atenção. Quem nunca se pegou discutindo sobre qual filme, música ou livro é o favorito da outra outra pessoa? Ou sobre mãos quentes X pés gelados. Ou sobre usar camisetas de Star Wars e óculos do avô?

Quem nunca discutiu se Transformers é o melhor filme do mundo? Melhor até que todos os Godard juntos?! Ou se Cortazar é melhor que Paulo Coelho? Ou por que todas as mulheres acham Chico ou Johnny Depp os homens mais bonitos do mundo? Ou se se falar de amor é ou não clichê?Chegam até a discutir a relação que há entre o amor e pizza ou amor e McDonald´s?

Com planos simples e sem grandes movimentos de câmera, que quase sempre está estática, é como se o expectador estivesse alí de bobeira, simplesmente ouvindo a história. Alguém cochichando ao lado e você, de repente, se vê interessadíssimo na conversa. O que acontece com filmes que parecem ter sido referências como “Alta Fidelidade” e “Antes do Amanhecer”.

Bem, o final é como todo filme de amor. Lógico que não vou citá-lo aqui, mas é parecida com aquela canção do Nando Reis, sabe?! “É bom olhar pra trás e admirar a vida que soubemos fazer”. Assim é o amor. Assim é a vida. Pois como diz o Dalai Lama, se case com alguém que você goste de conversar!

Anúncios

Uma resposta para “Apenas o fim

  1. Opa! Vou assistir, boa indicação, ótimas referências (adoooooro Antes do Amanhecer e Alta Fidelidade). Aliás, trocando figurinhas… já assistiu “Mary e Max, uma amizade diferente”? Demorei para vê-lo, assisti no último finde. Eder, vc vai gostar. Ótima animação para adultos, bela fotografia e uma história de emocionar. Favor não esquecer de levar lenço para a sala de cinema, pois vc vai precisar. E não será uma vez só. Tornou-se um dos meus filmes favoritos! Bjsssssssss

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s